Depressão e outros problemas relacionados a questões mentais e emocionais merecem toda a nossa atenção. O movimento Setembro Amarelo, criado em 2015, incentiva a prevenção do suicídio por meio de diversas iniciativas.

A concepção do Setembro Amarelo teve participação direta do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). 

A história do Setembro Amarelo

O Setembro Amarelo chega à sua quinta edição para dar ainda mais visibilidade a uma causa importantíssima. A história do movimento passa pela escolha do mês, feita com base no Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, que foi criado em 2003 e é comemorado em 10 de setembro.

Nos primeiros anos de Setembro Amarelo, houve uma adesão relevante de diferentes setores da sociedade. Escolas, universidades, entidades do setor público e clubes de futebol como Santos e Flamengo atuaram para ampliar o alcance da mensagem.

Iluminar monumentos e prédios com a cor amarela é uma das formas de propagar a mensagem da campanha. Ações educativas realizadas por equipes locais também, rodas de conversa e iniciativas em redes sociais ajudam a dar força ao Setembro Amarelo.

Por que o Setembro Amarelo é tão importante?

No mundo, aproximadamente, 1 milhão de pessoas se suicidam a cada ano. Se todo o movimento Setembro Amarelo pudesse evitar uma única dessas mortes, certamente já valeria o esforço da campanha. Mas o fato é que 90% dos suicídios poderiam ser evitados, desde que as pessoas vulneráveis recebessem a devida atenção.

Um dos trunfos do Setembro Amarelo é romper o tabu de que não se deve conversar sobre o tema. A campanha visa estimular o diálogo e dar espaço ao tema para que as pessoas possam expressar suas dores.

Além disso, o Setembro Amarelo tem ações educacionais que apontam o caminho das pedras para lidar com uma pessoa que possa apresentar risco de suicídio. Como o tema é muito pouco abordado, falta esse entendimento e o problema é jogado para baixo do tapete.

É evidente que não existe um manual de instruções para resolver totalmente a questão. O suicídio é um desafio e um problema complexo que pode ser desencadeado por múltiplos fatores. Essa é mais uma razão para a campanha ser valorizada e ter continuidade nos próximos anos.

Os sinais de alerta associados ao suicídio

Para promover diálogos assertivos e acolher, de fato, pessoas vulneráveis, o movimento Setembro Amarelo divulga valiosos ensinamentos sobre o suicídio. Reconhecer os sinais é fundamental para dar uma atenção imediata e eficaz. Dentro os fatores associados ao risco de suicídio, podemos destacar:

. Alterações no sono e no apetite;

. Descuido com a aparência;

. Queda de desempenho no trabalho ou na escola;

. Mudanças repentinas nos hábitos;

. Isolamento.

Para quem deseja participar e contribuir de alguma forma com o Setembro Amarelo, é possível obter materiais de divulgação no próprio site do movimento.

Você conhece outros meses coloridos?

O Setembro Amarelo é um dos exemplos de meses dedicados a uma questão específica de saúde. O mais conhecido mundialmente é o Outubro Rosa, que reforça a importância do combate ao câncer de mama. No mês seguinte, é a vez do Novembro Azul, cujo foco é a prevenção contra o câncer de próstata. Saiba mais a respeito do movimento neste post do nosso blog!

Fonte: Organização Mundial da Saúde (OMS) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP)