A hanseníase é uma doença infecciosa e contagiosa, causada pela bactéria Mycobacterium leprae. Conhecida antigamente como lepra, a doença tem uma evolução crônica e atinge principalmente a pele e as mucosas. O Brasil é o segundo país que mais registra casos no mundo, por isso é preciso ter atenção redobrada a respeito desta doença.

Quando não é tratada de forma eficaz, a hanseníase pode causar danos neurais irreversíveis. As principais formas de prevenção da hanseníase são o diagnóstico precoce, o tratamento correto e a investigação de contatos para evitar o espalhamento da doença.

Saiba quais são os principais sintomas e tipos de tratamento para a hanseníase.

Prevenção da hanseníase: como a doença é transmitida?

A transmissão da hanseníase acontece quando uma pessoa infectada elimina, por espirro ou tosse, a bactéria para o meio exterior, onde ela pode encontrar pessoas com maior risco de adoecer. Em geral, a infecção acontece quando o contato entre as pessoas é próximo e prolongado.

Os doentes com pouca carga de bactérias – paucibacilares (PB) – não são considerados importantes fontes de transmissão da doença. Já as pessoas com uma carga alta de bactérias fazem parte do grupo classificado como contagiante.

A hanseníase tem um longo período de incubação, uma pessoa pode levar alguns anos para manifestar sintomas a partir da infecção.

Quais são os principais sintomas da hanseníase?

Uma pessoa infectada pela bactéria Mycobacterium leprae pode apresentar diferentes sintomas. Saiba quais são os principais deles:

  • Manchas (brancas, vermelhas ou marrons) na pele;
  • Mudança na sensibilidade da pele ao calor e ao frio; 
  • Dores na pele sem clara explicação;
  • Comprometimento dos nervos periféricos (geralmente engrossamento), associado a alterações sensitivas ou motoras;
  • Áreas com diminuição dos pelos e do suor;
  • Sensação de formigamento ou fisgadas, principalmente nas mãos e nos pés;
  • Diminuição ou ausência da sensibilidade e da força muscular na face, nas mãos ou nos pés;
  • Caroços (nódulos) no corpo, em alguns casos avermelhados e dolorosos.

O diagnóstico da hanseníase pode ser feito a partir de alguns exames. Um deles é a pesquisa de BAAR (“bacilos álcool ácido resistentes”) na linfa, que investiga a presença do bacilo. Mas o principal diagnóstico é feito pelos sintomas clínicos.

(No Laboratório Cella, você pode realizar este e muitos outros exames, entre em contato para saber mais detalhes).

O tratamento da hanseníase

A hanseníase pode ser tratada por meio da combinação de três antibióticos, conhecida como Poliquimioterapia Única (PQT-U). A duração varia de acordo com o paciente e com a evolução da doença.

Um ponto muito importante é o estigma enfrentado por pacientes que desenvolvem a hanseníase. É fundamental que familiares e amigos deem acolhimento ao doente e evitem a exclusão social, pois ela causa sofrimento e pode deixar a pessoa com a saúde comprometida.

 

Fonte: Ministério da Saúde