Você sabia que, em média, temos 5 litros de sangue no corpo? Esse tecido vivo tão conhecido é responsável por transportar nutrientes e colaborar para as defesas do organismo.

Não por acaso, a cada ano, campanhas do governo ressaltam a importância de doar sangue. Trata-se de um ato de solidariedade e amor ao próximo, que contribui para o equilíbrio do sistema de saúde.

Por que as pessoas devem doar sangue?

De forma bem objetiva, as pessoas devem doar sangue para salvar a vida de seus semelhantes. O poder desse gesto é maior do que imaginamos e pode significar milhares e milhares de vidas salvas.

Sangue é insubstituível e fundamental em cirurgias e outros procedimentos. Quando falta esse recurso em um hospital, muitas vezes não há outra solução para cuidar dos doentes. Sem doadores, não há banco de sangue e as pessoas chegam aos hospitais cada vez mais vulneráveis.

Quem pode doar sangue?

Muitas pessoas têm dúvidas e receios em relação ao ato de doar sangue. Por isso, vale sempre a pena esclarecer quais são os critérios para credenciar alguém a se tornar doador. Confira abaixo:

  • Ter idade entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos devem possuir consentimento formal do responsável legal);
  • Pesar no mínimo 50 kg;
  • Estar alimentado. Não ingerir alimentos gordurosos antes da doação;
  • Ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas;
  • Apresentar documento de identificação com foto emitido por órgão oficial.

É importante lembrar, ainda, a necessidade de intervalos longos entre as doações. Homens podem doar sangue, no máximo, quatro vezes a cada ano, com intervalo mínimo de dois meses entre cada doação. Já as mulheres podem fazer até três doações e ter intervalo mínimo de três meses entre cada uma.

Quais fatores impedem alguém de ser doador de sangue?

Existem impedimentos definitivos e temporários para a doação de sangue. Veja abaixo quais são eles:

Impedimentos definitivos

  • Ter passado por um quadro de hepatite após os 11 anos de idade;
  • Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças transmissíveis pelo sangue: hepatites B e C, Aids (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV 1 e 2 e doença de Chagas;
  • Uso de drogas ilícitas injetáveis.

Impedimentos temporários

  • Gripe, resfriado e febre: aguardar 7 dias após o desaparecimento dos sintomas;
  • Infecção por Covid-19: aguardar 30 dias após a completa recuperação;
  • Período gestacional;
  • Período pós-gravidez: 90 dias para parto normal e 180 dias para cesariana;
  • Amamentação: até 12 meses após o parto;
  • Ingestão de bebida alcoólica (aguardar 12 horas após o consumo);
  • Exames/procedimentos com utilização de endoscópio nos últimos 6 meses;
  • Vacina da febre amarela ou sarampo: aguardar 4 semanas após a vacinação;
  • Tratamento dentário cirúrgico (como extração, tratamento de canal): 7 dias após o procedimento e/ou suspensão dos medicamentos.

Pandemia aumentou a importância de doar sangue

Desde o início de 2020, a pressão sobre os sistemas de saúde do Brasil e do mundo atingiu níveis críticos por conta do avanço do coronavírus. Nesse cenário, bancos de sangue ficaram desguarnecidos e as doações caíram por conta da quarentena.

O impacto da pandemia no Brasil segue muito presente e os bancos de sangue ainda operam abaixo dos níveis considerados ideais. Por isso, quem estiver apto a doar pode prestar um serviço à sociedade, contribuir com o sistema de saúde e ajudar a salvar a vida dos brasileiros.

Salvar vidas é um ato de amor!

Agora que você sabe em mais detalhes qual é a importância de doar sangue, a dica é transformar conhecimento em ação. Neste link, você pode encontrar os hemocentros na sua cidade e fazer a sua doação de sangue. Caso atenda aos critérios, seja doador e salve vidas!

 

Fontes: Ministério da Saúde