A depressão pós-parto é uma importante questão de saúde pública a ser enfrentada mundialmente. Dados da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) apontam que, no Brasil, 26% das mães apresentam sintomas de depressão pós-parto. No mundo, o índice é de aproximadamente 20%, segundo levantamento da OMS (Organização Mundial de Saúde).

A depressão pós-parto pode comprometer o vínculo da mãe com o bebê, sobretudo no aspecto afetivo. Entre os impactos, estão efeitos no desenvolvimento social, afetivo e cognitivo da criança, além de sequelas prolongadas na infância e adolescência.

Não existe uma causa específica para a depressão pós-parto, por isso todas as mulheres estão sujeitas, em alguma medida, a sofrer algum transtorno desse tipo. No entanto, algumas causas podem contribuir para o aparecimento de sintomas de depressão pós-parto:

  • Privação de sono;
  • Isolamento;
  • Alimentação inadequada;
  • Sedentarismo;
  • Falta de apoio do parceiro;
  • Falta de apoio da família;
  • Depressão, ansiedade, estresse ou outros transtornos mentais;
  • Vício em álcool ou outras drogas.

Como saber se uma mulher está com depressão pós-parto? O ponto fundamental é prestar bastante atenção aos sintomas que podem estar relacionados a essa condição. A seguir, vamos apresentar os mais relevantes deles.

(Leia também: Alimentação saudável para mulheres: 7 ótimas dicas)

Quais são os sintomas de depressão pós-parto?

A depressão pós-parto pode apresentar diferentes sintomas de acordo com cada pessoa. Em geral, o sintoma mais forte e recorrente é uma tristeza muito intensa e um sentimento de desmotivação. Confira outros sintomas que devem despertar a atenção de mães que deram à luz há poucos meses.

  • Perda de interesse ou prazer em atividades diárias;
  • Perda de interesse ou prazer em atividades ou pessoas das quais gostava;
  • Pensamento em morte ou suicídio;
  • Vontade súbita de prejudicar ou fazer mal ao bebê;
  • Perda ou ganho de peso;
  • Vontade de comer mais ou menos do que o habitual;
  • Dormir muito ou não dormir o suficiente;
  • Inquietação e indisposição constante;
  • Cansaço extremo;
  • Sentimento de indignação ou culpa;
  • Dificuldade de concentração e tomada de decisões;
  • Ansiedade e excesso de preocupação.

Como uma mãe pode saber se está com depressão pós-parto?

O diagnóstico da depressão pós-parto deve ser feito por um psiquiatra, que faz a análise dos sintomas apresentados pela paciente. Para que o diagnóstico seja confirmado como depressão pós-parto, os sintomas devem surgir em até quatro semanas depois do nascimento da criança.

Em alguns casos, é preciso realizar exames de sangue para distinguir entre um caso de curto prazo e uma forma mais grave de depressão. O objetivo é avaliar uma possível disfunção da tireoide.

A depressão pós-parto pode ser prevenida!

Todas as mães estão sujeitas aos sintomas de depressão pós-parto, mas é possível minimizar esses riscos. Veja algumas atitudes que contribuem para um maior equilíbrio mental e emocional.

  • Evite se isolar e peça ajuda de outras pessoas para que você consiga dormir bem, manter uma alimentação saudável, fazer exercício físico e receber apoio na medida do possível.
  • Reserve um espaço na sua agenda para se dedicar a si mesma.
  • Mantenha pensamentos positivos, sempre!
  • Em caso de preocupação com a depressão pós-parto, faça seu primeiro check-up pós-natal o mais breve possível após o parto.

 

Fontes: Ministério da Saúde, Fiocruz e OMS.