Quando pensamos em cuidados com a saúde, logo vêm à mente atitudes individuais como, por exemplo, manter uma boa alimentação e rotina de exercícios físicos ou realizar exames periodicamente. Muitas pessoas, porém, não reconhecem a importância da doação de sangue como forma de promover a saúde da população em geral.

Doar sangue é uma maneira de contribuir para a saúde de outras pessoas, que podem ter a vida salva graças a esse importante gesto. Em muitos países, os bancos de sangue não são suficientes para atender às necessidades da população. No caso dos tipos sanguíneos mais raros, a situação é ainda mais delicada.

Preparamos um post especial para reforçar a importância da doação de sangue. Entenda de que forma essa iniciativa ajuda as outras pessoas e confira alguns números do Brasil e do mundo.

Por que você deve doar sangue?

O sangue é um tecido conjuntivo de valor único para o nosso organismo, por isso é insubstituível. Não por acaso, o Ministério da Saúde e outras entidades competentes incentivam a doação como forma de salvar vidas. As doações regulares e espontâneas são fundamentais para manter abastecidos os estoques dos hemocentros.

É sempre bom reforçar que o ato voluntário de doar sangue pode salvar muitas vidas. Pessoas que passam por tratamentos prolongados dependem de transfusões periódicas para manter a saúde. Outro grupo diretamente beneficiado é o de pessoas que têm de passar por intervenções urgentes de grande porte e complexidade. Pode ser algo decorrente de um acidente ou uma cirurgia associada a algum problema de saúde mais grave.

O que é preciso para poder doar sangue?

Muitas pessoas ainda não doam sangue por não terem certeza a respeito dos requisitos necessários. Há o receio de que a doação possa gerar alguma complicação de saúde – o que não procede. Para doar, basta preencher alguns critérios bem simples:

Peso mínimo: 50 kg;

Idade: entre 16 e 69 anos;

Alimentação: evitar alimentos gordurosos nas três horas que antecedem a doação;

Descanso: ter dormido ao menos durante seis horas das últimas 24 horas;

Frequência: quatro doações anuais para homens e três para mulheres.

Há, porém, alguns fatores impeditivos para a doação, principalmente a existência de doenças transmissíveis pelo sangue, tais como hepatites B e C, vírus HIV, vírus HTLV e Doença de Chagas.

A doação de sangue é, também, um procedimento totalmente seguro que não possibilita qualquer tipo de contaminação. Todos os materiais utilizados na coleta são descartados imediatamente, o que garante total segurança ao doador.

Para saber mais detalhes e conhecer os endereços dos hemocentros, confira a página do Ministério da Saúde.

Números da doação de sangue no Brasil e no mundo

A importância da doação de sangue é reconhecida mundialmente. Confira alguns números relevantes a respeito desse tema:

  • 1,6% da população brasileira doa sangue regularmente (o equivalente a 16 doadores a cada 1000 habitantes);
  • De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o índice mínimo aceitável é de 1% da população de cada país;
  • Em 2017, mais de 3 milhões de brasileiros doaram sangue (60% homens e 40% mulheres);
  • R$ 1,3 bilhão é o investimento total previsto para 2018 na rede de sangue no Brasil;
  • Aproximadamente 112 milhões de litros de sangue são coletados anualmente no mundo.

Vale destacar que, neste mês de novembro, no dia 25, é celebrado o Dia Nacional do Doador de Sangue no Brasil. O Laboratório Cella apoia fortemente a doação de sangue, organizando coletas nos dias 23 e 24 de novembro, no Hospital Regional de Sorriso.

Mundialmente, a data escolhida para reforçar a importância da doação de sangue é 14 de junho. E, como estamos em novembro, é bom destacar outra iniciativa de caráter global, o Novembro Azul, que incentiva o combate ao câncer de próstata e outras doenças masculinas. Confira nosso post sobre o tema.

 

Fontes: Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde