O amor é um sentimento como nenhum outro, considerado uma chave para que a gente busque uma vida mais feliz. O que nem todos sabem é que a vida ao lado de um grande amor faz bem para a saúde. É isso mesmo, amar pode ser considerado um hábito saudável.

E olha que não se trata só daquela sensação de bem-estar. Amar faz bem à saúde por razões científicas e estudos já demonstraram isso. No post de hoje, contamos para você de que forma o sentimento tão valorizado é positivo do ponto de vista dos cuidados com o organismo.

Coração mais protegido

Sabe aquela coisa do batimento acelerado quando estamos perto de quem amamos? Pois o sentimento reduz os riscos de doenças cardiovasculares e ajuda a regular a pressão.

Uma pesquisa realizada pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos demonstrou isso ao estudar mais de três milhões de pessoas, entre solteiros, casados e viúvos. Entre as pessoas com menos de 50 anos, os casados apresentavam uma chance 12% menor de desenvolver doenças cardíacas.

Redução do estresse

Em certos casos, o início de um relacionamento pode ser um gatilho de estresse, muito por conta da adaptação ao parceiro. Mas a ciência aponta que, com o passar do tempo, a vida a dois tem o efeito inverso.

Um estudo também feito nos Estados Unidos aponta que a formação de laços com alguém leva a mudanças psicológicas diminuem os níveis de estresse e ansiedade.

(Leia também: Como controlar o estresse: 5 dicas para o dia a dia)

Friozinho na barriga tem um lado bom!

Quem já se apaixonou já teve aquela sensação de frio na barriga quando está para encontrar o companheiro no início do relacionamento. Isso tem a ver com o aumento nos níveis de cortisol, algo que acontece também quando nos sentimos ameaçados.

A reação emocional ativa o nervo vago, maior nervo craniano que desce pelo pescoço e chega até o estômago. Quando estamos nervosos ou empolgados, esse nervo é estimulado e colabora para o bom funcionamento do organismo de forma ampla.

A sensação de calma, segurança e felicidade

Muitas pessoas apaixonadas têm uma sensação de segurança quando estão próximos do parceiro. A razão científica para isso é a liberação do hormônio ocitocina, que traz uma sensação de calma e segurança. A ocitocina é liberada quando há contato físico com a outra pessoa.

Um estudo da Escola de Medicina de Harvard aponta que outras formas de amor, como pela família ou pelos amigos, também contribui para a liberação de ocitocina e, consequentemente, a sensação de confiança.

Outro hormônio bem famoso, a dopamina, também tem relação com o amor. A substância, associada à sensação de prazer e alegria, é liberada pelo simples ato de pensar na pessoa amada. Foi o que apontou a observação das ondas cerebrais de casais apaixonados.

Cuide bem do seu coração

Agora que você já sabe todas as razões pelas quais amar faz bem, vale a pena deixar o seu coração cada vez mais protegido. Aqui mesmo em nosso blog, fizemos um post com cinco excelentes dicas de como cuidar bem do coração. Clique aqui e confira!

 

Fonte: US Department of Health Services e Escola de Medicina de Harvard