A maioria das pessoas busca maneiras de melhorar a própria saúde. O problema é que muitos brasileiros escolhem o caminho errado, sem se dar conta dos perigos da automedicação. Aquela história de que “um remedinho não vai fazer mal” é bastante discutível, por isso é fundamental ter responsabilidade.

Infelizmente, a automedicação é uma prática que atravessa gerações no Brasil e que não contribui em nada para a evolução da saúde em nosso país. No post de hoje, contamos para você quais são os perigos da automedicação e por que ouvir um profissional é sempre o melhor remédio.

Desprezo pelas visitas a médicos

Ir ao médico pode causar certo receio a muitas pessoas devido à possibilidade de se identificar alguma doença. Entretanto, essa é a melhor maneira de manter a saúde sob controle.

Quem aposta na automedicação tende a desprezar a visão técnica de um profissional. Isso significa menos conhecimento sobre o próprio corpo e suas vulnerabilidades.

Uso desnecessário de remédios

Como consequência da falta de orientação profissional, recorre-se a uma infinidade de medicamentos para “tratar” os mais diversos sintomas. Toda essa imprecisão e falta de análise leva ao uso desnecessário de remédios.

A ingestão ineficaz de substâncias estranhas ao organismo pode atrapalhar mais do que as pessoas imaginam e provocar outros problemas em médio prazo.

Armazenamento de medicamentos

Pessoas acostumadas à automedicação têm uma tendência de guardar vários remédios e transformar seu banheiro em uma pequena farmácia. Essa prática é problemática por dois motivos principais:

  • Perda de efetividade dos medicamentos: diante de condições como altas temperaturas e umidade, algumas substâncias podem perder o seu poder de cura.
  • Ingestão acidental por crianças: quem tem filhos pequenos deve redobrar a atenção sobre os remédios armazenados em casa. Lembremos que crianças são curiosas e podem, por conta disso, ingerir acidentalmente um medicamento.

Intoxicação

Utilizar remédios sem a orientação de um profissional traz o risco de uma intoxicação. Isso pode acontecer, fundamentalmente, por três razões:

  • Combinação de medicamentos: certas substâncias, quando combinadas em seu organismo, levam a reações adversas bastante perigosas.
  • Intolerância do organismo: cada pessoa se adapta de uma forma a diferentes medicamentos. Não por acaso, a singularidade do organismo é um dos fatores levados em consideração pelos médicos.
  • Superdosagem: a automedicação, em muitas ocasiões, leva a certo exagero por parte do paciente. A superdosagem é a ingestão de uma quantidade de determinada substância acima da capacidade do corpo de processá-la. Entenda a superdosagem de alguns medicamentos.

Opção pelo remédio errado

Medicar-se sem a orientação de um profissional leva também as pessoas a comprarem gato por lebre. Ou seja, adquirem um remédio que não terá nenhuma efetividade para tratar aquilo que devem curar.

Ainda que o farmacêutico possa ter sugestões razoáveis, somente a avaliação prévia de um médico permitirá que o paciente saiba exatamente o que necessita.

Valorize a sua saúde!

Agora você já sabe bem quais são os perigos da automedicação. Preocupar-se com a própria saúde não consiste em adquirir dezenas de remédios para tentar resolver problemas diversos. Quando sentir alguma mudança em seu dia a dia, recorra a um médico, pois ele poderá lhe orientar da melhor forma. Além disso, mantenha seus exames em dia para identificar eventuais alterações em seu organismo. Você já conhece o Laboratório Cella? Clique aqui para saber mais sobre o nosso trabalho ou ligue no número (66) 3544 7701!